A porta da liberdade

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp

Quando eu era criança gostava de ficar perto de pessoas mais experientes ouvindo suas histórias. E como eram gostosos aqueles momentos! Em outras ocasiões, perdia a noção do tempo “viajando” nas páginas dos livros. Ainda hoje, um dos meus passatempos preferidos é colecionar reflexões. Quero compartilhar com você uma das que, ao longo da minha história, venho selecionando e guardando com muito carinho.

Reflita:

A porta feia da liberdade

“No Reino do Norte havia um rei que era muito polêmico por causa de seus atos de julgar. Ele pegava os prisioneiros de guerra e levava-os para uma enorme sala. Os homens eram enfileirados no centro da sala e o rei gritava:

 ‘Eu vou dar uma chance para vocês. Olhem para o canto direito’. Ao olharem, os prisioneiros viram alguns soldados armados de arco e flechas, prontos para a ação. ‘Agora’ – continuou o rei – ‘olhem para o canto esquerdo’. Eles notaram que havia uma terrível porta negra de aspecto dantesco. Crânios humanos serviam como decoração e a maçaneta era a mão de um cadáver. Algo horripilante, só de imaginar. O rei novamente gritava: ‘Agora escolham, o que vocês querem, a sorte com os soldados do lado direito ou abrirem aquela porta e entrarem lá enquanto eu os tranco? Vocês têm livre arbítrio, escolham!’ Todos os prisioneiros tinham o mesmo comportamento: na hora da decisão eles chegavam perto daquela porta assustadora com mais de quatro metros de altura, olhavam para os desenhos de caveiras, sangue, esqueletos e outras coisas espantosas e decidiam: ‘Quero a sorte com os soldados armados. Prefiro ser atravessado por flechas a abrir essa porta e ser trancado lá dentro’. Milhares optaram pelo que estavam vendo, e iam sendo presos ou mortos pelas flechas.

Finalmente a guerra acabou. Passado algum tempo, um daqueles soldados do ‘pelotão de flechas’ estava varrendo a sala quando o rei chegou. O soldado, com toda reverência e meio sem jeito, perguntou: ‘Grande rei, eu sempre tive uma curiosidade. Não se zangue com minha pergunta, mas, o que existe além daquela porta?’. O rei respondeu: ‘Lembra-se de que eu dava aos prisioneiros duas escolhas? Pois bem, vá e abra a porta’. O soldado, trêmulo, virou cautelosamente a maçaneta e sentiu um raio de sol beijar o chão. Abriu mais um pouco e mais luz e um gostoso cheiro de plantas inundou o local. O soldado notou que a porta feia abria para um bosque e uma larga estrada. Foi aí que o soldado percebeu: a porta escura e feia era a porta para a liberdade.”

Muitas vezes as aparências enganam. Os prisioneiros não conseguiam olhar além daquela terrível porta! Não tinham fé para ver o que seus olhos não conseguiam enxergar.

Quando você se deparar com as “portas feias” – desemprego, tristeza, solidão, amargura etc. – lembre-se que Jesus não prometeu que você não passaria por dificuldades. Ele prometeu que estaria contigo nas provas, segurando sua mão, para não o deixar desanimar. Quando encontrar um grande obstáculo em seu caminho, não se aflija, pois com o tempo, ele se tornará pequeno, não porque ele diminuiu, mas porque você cresceu. Cresça a cada dia na esperança, fé e no amor para que, mesmo quando seus olhos não puderem enxergar o que está por vir, você confiará que Deus tem coisas melhores reservadas para você.

1 thought on “A porta da liberdade”

Leave a Comment

Su dirección de correo no se hará público. Los campos requeridos están marcados *

Girl writes in journal
The Girl Writes is a space created by women for women. Everything in a faith-based perspective. No adaptations necessary. Learn more.

Related Posts

es_PE