Isys + Luís—Uma história de amor da Amazônia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Eu me chamo Isys e o girassol é a minha flor favorita porque ela sempre está em busca de luz. Sou protagonista em uma história de amor que gosto de chamar de Luísys (Luís + Isys) escrita pelo dedo de Deus.

Em 2016 me mudei para Brasília e o Luís se mudou para Manaus. Não nos conhecíamos, mas um amigo em comum me falou que esse tal de Luís estava interessado em uma amiga minha de infância e perguntou se eu poderia ajudá-lo. Liguei para a moça, mas ela me falou que gostava dele “apenas como amigo”, o que dava fim à minha missão, porém, no desenrolar da saga de cupido eu acabei com o WhatsApp do pobre rapaz.

Eu o chamei para a primeira conversa e partir daquele dia nos tornamos melhores amigos virtuais, pois tínhamos muitas coisas em comum, dentre elas um coração partido. Eu de cá e ele de lá, trocando conselhos e animando um ao outro. Conversar com ele passou a ser parte importante da minha rotina. Nos tornamos bons amigos, e o melhor: sem segundas intenções.

A primeira vista

Alguns meses se passaram até que fui convidada para ser madrinha de casamento em Manaus. No dia anterior ao casamento meu par disse que não poderia ir, então fui orientada pela noiva a convidar o Luís para entrar comigo.

Fiquei com vergonha, mas mesmo assim o convidei, e para a minha sorte ele aceitou. Entramos juntos e deu tudo certo, no entanto nada foi igual após aquela noite. Eu pensava nele com mais frequência e isso me assustava, pois não sabia se era recíproco e nem queria estragar nossa amizade.

Eu ainda estava na cidade e nossas conversas se tornaram ambíguas, como se quiséssemos dizer para o outro o que sentíamos, mas sem dar certeza da interpretação. É o típico “eu não quero, mas se você quiser eu quero”.

O Natal se aproximava e ele comentou que a sua família pretendia passar o feriado no Purupuru — interior do Amazonas onde grande parte das casas ficam sobre as águas do Rio Negro. Insisti que meus amigos me levassem, apenas para chegar lá e fingir surpresa ao encontrá-lo. A família dele realmente iria e ele havia decidido ficar em casa, mas como eu disse que iria, ele resolveu ir também.

Quando chegamos ele ficou hospedado em uma margem do rio e eu na outra. Na igreja pouco conversamos, pois aparentemente nos tornamos mais tímidos. Ficamos na igreja o dia inteiro e em uma oportunidade sua mãe me perguntou sem rodeios o que eu achava dele. Fiquei chocada, mas respondi que achava um bom rapaz. Ela chegou pertinho e falou: “me avisa se ele vier na nossa direção” e começou a falar para eu ter paciência, porque ele gostava de mim, mas queria ir com calma por estar se recuperando de uma decepção amorosa. Assenti com a cabeça, concordei, agradeci e pensei: “essa é a sogra dos meus sonhos!”

A conversa

Após o pôr-do-sol, na embarcação, tivemos coragem de conversar a sós. Ele me chamou para a proa do barco e falamos sobre coisas que não consigo lembrar, porque meu coração estava acelerado demais para considerar algum pensamento. Encostei na barra do barco na esperança de ele pegar na minha mão. Depois de algum tempo o plano funcionou. Foi um simples toque na mão, mas era como se o mundo inteiro tivesse parado para que eu vivesse aquele momento. Senti coisas que não sabia que existiam e desejei que aquele momento nunca passasse. O céu estava tão lindo que nem parecia real. Estávamos dentro de um barco, no meio do rio Amazonas, no início da noite e sem energia elétrica. A única luz que ocasionalmente aparecia era a da lanterna do piloto que ligava para verificar a existência de algum tronco no rio. O céu estava limpo e sem lua, e havia muitas estrelas. Nunca presenciei um céu como aquele antes ou depois daquele dia. Foi como se o próprio Deus tivesse marcado aquele encontro.

Os dias passaram e não dava para ignorar o que havia acontecido. Decidimos orar juntos e esperar a resposta de Deus. Fizemos assim, até que durante um passeio na orla ele me surpreendeu com um pedido de namoro.

Quatro anos depois

Quase quatro anos namorando à distância se passaram entre encontros, desencontros e experiências incríveis com Deus até que mais um pedido foi confirmado. Eu disse sim!

O pedido de casamento ocorreu durante os fogos de artifício na virada do ano de 2019. Foi uma surpresa e tanto! As férias foram marcadas por planejamentos, orçamentos e tudo o que envolve fazer uma festa daquelas. O que não imaginávamos é que poucas semanas adiante o mundo inteiro viveria um caos: a pandemia da Covid-19.

Muitas dificuldades nos assombraram durante esse período, e como grande parte dos empreendedores, o Luís Fernando sofreu o impacto do mercado parado, o que também afetou nosso orçamento para a festa. Precisávamos construir, bancar a festa, adquirir móveis e pagar a lua de mel com um valor que àquela altura, onde os preços subiram em todo tipo de comércio, parecia inviável. Como se não bastasse, meu pai enfrentou um momento difícil e quase chegou a perder a vida. Em meio a tantas incertezas a data do casamento foi estabelecida e adiada por diversas vezes.

Um final melhor que de conto de fadas

Os contos de fada que retratam belas histórias de amor também têm seu momento difícil para, após muita adrenalina, conquistar seu final feliz. Acontece que a minha vida não é uma história da Disney. É algo melhor: uma história escrita pelo Rei do Universo! Por isso, como filha e, portanto, princesa do Reino Celeste, meu final feliz estava mais do que garantido, porque “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”.

Em uma noite, após pedirmos uma resposta a Deus em oração, os obstáculos foram removidos de uma maneira espantosa. O fato é que o dinheiro apareceu de onde eu não consigo explicar, a casa foi construída e mobiliada e o casamento aconteceu no dia 04 de outubro de 2020. Foi um verdadeiro milagre. A coisa mais linda que eu já vivi.

Hoje olho para tudo o que vivemos e consigo entender em todos os detalhes o que a Bíblia diz sobre os planos de Deus serem maiores e melhores do que os nossos. Entendo tão perfeitamente por que Ele nos pede para não andarmos ansiosas por coisa alguma, mas com oração, súplicas e agradecimentos, entregarmos os nossos propósitos a Ele. Pude sentir a paz que excede todo entendimento guardando o meu coração e a minha mente no lugar mais calmo e tranquilo que pode existir, que é em Cristo Jesus.

Os cinco anos de relacionamento, do primeiro “oi” no WhatsApp até o “sim” no altar, me deram as melhores e mais educadoras experiencias de fé que eu tive na vida.

Parece sorte viver uma história tão linda, mas o segredinho é que o nosso lema desde o início foi (e é): “um cordão de três dobras não se quebra facilmente”. E para quem pensa que o “felizes para sempre” terminou com o “SIM”, gostaria de dizer que o altar é só início. Ainda tem muita história boa pela frente.

4 comentários em “Isys + Luís—A Love Story from the Amazon”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Girl writes in journal
The Girl Writes is a space created by women for women. Everything in a faith-based perspective. No adaptations necessary. Learn more.

Related Posts

Breastfeeding, nursing, nurturing

Uma introdução à amamentação

Se você é mãe ou gostaria realmente de ser mãe algum dia, você precisa saber como promover a amamentação e remover o maior número possível de fatores que a impeçam. Vamos considerar alguns.

LER MAIS »
pt_BR